Google+ Followers

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Campanhas e Casas de Banho

Estou farto daquelas campanhas do pobrezinho e do ceguinho... Do, ajudem-me por favor ajudem...

Aceito campanhas onde peçam um pouco do meu sangue, a minha medula e mais qualquer coisa que seja human. Agora, campanhas ranhosas onde pedem dinheiro e onde ainda por cima vão organizar festas e eventos à custa da miséria dos outros... For fuck sake! Nojento e asqueroso.

Se por um lado compreendo o desespero das pessoas em abraçar a vida, compreendo ainda mais os amigos que criam logo uma conta bancária e divulgam o NIB através das redes sociais.

O mais caricato, é que sempre que me convidam a participar nestas coisas, peço sempre para me mostrarem as facturas das despesas e por aí fora. Sou logo barrado à entrada.

Opiniões à parte...

As opiniões são como as casas de banho. Todos nós temos uma, mas algumas cheiram mal.

Depois ainda dizem que não sou romântico e sou amargurado... Não. Sou a favor de nos ajudarmos uns aos outros mas não nos aproveitarmos dos nossos problemas para obter uma vantagem económica com base nisso.

Infelizmente já deu para entender que isto se tornou num negócio e que há muitos que ganham com isto. Basta todos apoiarem com uma festa, um churrasco, um bar, uma discoteca, até os cafés...

"Consumam aqui que nós damos 30% para a campanha do zé pilinhas ou da maria rapaz"

Triste país meu... triste...

Acho que qualquer dia vou criar uma campanha a pedir ajuda para comprar um Bentley. Como isto virou negócio pode ser que consiga pagar metade com ajuda das redes sociais. Quem fala em carros fala em viagens como aquela miúda Bárbara que pediu imensos votos para ganhar uma viagem. Camuflada estratégia de marketing a miúda é amiga de pessoas (estas ditas influentes) que a ajudaram a publicitar nos meios de comunicação social, revistas, jornais, etc... Aqui concordaria com o apoio aos doentes ao invés de miúdas mimadas filhas de angolanos que não sabemos bem como enriquecem e têm amigos influentes.

Quando for grande também não quero ser assim.

Viva la revólution!

Sem comentários:

Enviar um comentário